Aulas na Universidade do Estado da Bahia (Uneb) foram retomadas na manhã desta quarta-feira (3) — Foto: Henrique Mendes/G1

Estudantes da Uesc e Uneb voltaram às aulas nesta quarta (3). Alguns universitários da Uesb também pararam, mas universidade diz que atividades já tinham sido normalizadas.

Por G1 BA

As aulas na Universidade do Estado da Bahia (Uneb), em Salvador e Eunápolis, e na Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc) foram retomadas na manhã desta quarta-feira (3), após paralisação dos estudantes, que pediam investimentos nas unidades de ensino.

A paralisação dos alunos ocorreu em meados do mês de junho, após o fim da greve dos professores das estaduais, que durou cerca de 65 dias. Com o fim do movimento dos docentes no dia 12 de junho, as aulas na Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs) foram retomadas, enquanto na Uneb e Uesc os estudantes decidiram paralisar as atividades.

Já os estudantes da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb), que também chegaram a aderir à paralisação, encerraram a mobilização antes. Por meio de nota, a Uesb informou que retornou oficialmente às atividades acadêmicas no dia 17 de junho, logo após o fim da greve docente.

No dia 19 de junho, a Reitoria e o Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão (Consepe) da Uesb reforçaram a decisão de retorno das atividades, mantendo o previsto anteriormente. Assim, as aulas na Uesb se mantiveram normalmente.

Greve dos professores

A greve dos professores das universidades estaduais da Bahia começou no dia 9 de abril, quando os docentes iniciaram uma campanha salarial. A paralisação foi decidida em uma assembleia. Durante a greve, os salários dos professores ficou suspenso.

Além do reajuste de 5,5%, a categoria pediu destinação de, no mínimo, 7% da Receita Líquida de Impostos (RLI) do Estado da Bahia para o orçamento anual das universidades estaduais. Reposição integral da inflação do período de 2015 a 2017. Cumprimento dos direitos trabalhistas, ampliação e desvinculação de vaga/classe do quadro de cargos de provimento permanente do Magistério Público das Universidades do Estado da Bahia.

Na terça-feira (11), o governo do estado apresentou uma proposta aos professores, que prevê até 900 promoções em todas as instituições de ensino, recursos da ordem de R$ 36 milhões para que as quatro universidades apliquem em investimentos e o pagamento dos salários mediante reposição das aulas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui