Edmilson Silva é recebido pelo secretário Ruan Lira Divulgação / Gui Maia

Formado em Relações Internacionais Edmilson Antonio da Silva agora trabalha na Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa. Ele mudou de emprego após uma amiga contar a sua história nas redes sociais

POR LUIZ PORTILHO

Rio – A ideia de que basta estudar para se conseguir boas oportunidades de trabalho é repetida quase como se fosse um mantra na sociedade. Para Edmilson Antonio da Silva, 44 anos, foi preciso algo a mais. Formado em Relações Internacionais pela Universidade Católica de Petrópolis (UCP) desde julho do ano passado e com currículo vasto em idiomas estrangeiros — é diplomado em quatro, estuda três e tem noção em outros sete —, ele vinha trabalhando como cobrador de ônibus na cidade da Região Serrana do Rio, até ser redescoberto por uma amiga.A história dele ganhou repercussão na mídia após uma amiga postar o caso nas redes sociais. Foi, então, que as portas se abriram para Edmilson. Desde o dia 15, ele é assistente de relações internacionais da Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa (SECEC).”Quem vem de família pobre não pode escolher trabalho. Eu me formei e não conseguia emprego na área. Por isso, fui ser cobrador. A Bárbara, que é uma amigona minha, me viu no ônibus e tiramos uma foto para enviar a outro amigo. Quando ela desceu, se sentiu tão revoltada com a situação que fez aquele desabafo”, disse Edmilson.O desabafo em questão é de Barbara Costa, feito no dia 16 de março. “Esse é o Edmilson, um amigo com uma história de vida incrível. Ele é um dos meus maiores exemplos de superação e dedicação. Edmilson, um cara de origem humilde, fala fluentemente quase 10 idiomas, lutou muito para se formar em Relações Internacionais na UCP, trabalhando lá em troca do estudo. É Cria daqui. Grande parte dos seus estudos de linguagem foram feitos no ônibus, ele era cobrador e aproveitava o tempo hábil para se dedicar. Foi até para o Japão, quando venceu um concurso no Rio de Janeiro! Infelizmente por falta de oportunidade, hoje, formado e cheio de vontade de vencer, o Edmilson teve que voltar para o ônibus”, escreveu a amiga.

Barbara Costa encontrou Edmilson no ônibus em março
Barbara Costa encontrou Edmilson no ônibus em marçoReprodução do Facebook

Penúltimo dos 16 filhos que a mãe teve, Edmilson começou a trabalhar aos 8 anos, como vendedor de mariola, e estudou a educação básica  em escolas públicas de Petrópolis. As dificuldades, porém, não sufocaram a sua vocação cosmopolita, que teve o Japão como primeiro experimento. Pouco antes de acabar o Ensino Médio, na metade da década de 1990, ele ganhou um exemplar de um jornal japonês e se interessou pelo idioma.”Eu já tinha o inglês do colégio. Minha mãe era zeladora na casa da Princesa Patrícia e me trouxe um jornal do Japão. Fiz um alfabeto próprio. Eu tirei 23 letras do jornal e montei um alfabeto, tipo um código. Compreendia a informação, de forma errada. Depois, eu fiz o curso e tirei a proficiência na língua”, disse o assistente, que enumerou os demais idiomas de seu domínio:”Eu sou diplomado em inglês, espanhol, japonês e italiano. Depois que conheceram a minha história, eu ganhei uma bolsa para estudar francês. Além disso, faço curso de esperanto e estudo urdo com uma amiga do Paquistão que faz faculdade em Petrópolis. Tenho, também, noção de russo, árabe, chinês, coreano, alemão, grego e a língua crioula do Haiti. Essa noção eu pego com amizades que fiz”.As amizades em diversos países sugiram quando Edmilson fez uma viagem ao Japão após vencer um concurso da língua do país. “Foi lá que conheci bastante gente. Tenho amigos em várias partes do mundo”, disse o assistente. De lá, também, veio a decisão de estudar Relações Internacionais. Em 2012, Edmilson passou a trabalhar como zelador na UCP, em troca da bolsa para fazer o curso. Passando por uma interrupção em 2014, ele finalmente se formou no ano passado. A meta dele é ser embaixador. “Minha infância foi muito difícil, perdi meu pai com 14 anos. Enfrentei muita dificuldade. Agora que consegui um bom trabalho, vou me preparar para a prova do Instituto Rio Branco (escola de diplomatas). Não tenho condições de fazer neste ano, mas no ano que vem eu vou tentar”, disse Edmilson.Preconceito era a barreiraO caminho percorrido pelo ex-cobrador de ônibus poderia ter sido mais fácil, se não fosse uma barreira. “Discriminação”, disse de forma enfática o assistente quando questionado sobre a falta de oportunidades. “Uma vez, antes da faculdade, mas já falando alguns idiomas, eu botei um currículo sem foto numa pousada em Petrópolis. O dono me ligou. Quando eu cheguei, ele começou a debater linha por linha do meu currículo. Na última, ele falou que só me chamou para conhecer. Na faculdade, eu conheci um ex-genro dele que me contou que me contou tudo. Ele botou um branco que não tinha a metade da minha qualificação para trabalhar lá. Quando eu me formei, mandei currículos com foto e nunca me chamaram”, emendou.Edmilson ainda tem uma filha de 16 anos que segue o mesmo caminho. “Ela fala quatro idiomas, é fluente e tem a escrita no coreano”, disse o assistente, que ainda tem esposa e uma enteada de 21 anos.Aprovado pelo patrãoO chefe da SECEC, Ruan Fernandes Lira, comentou a contratação de Edmilson pela pasta. “A trajetória de superação do Edmilson Antônio da Silva é o que mais chama a atenção de todos, porém, um dos fatores determinantes para sua contratação foi sua habilidade natural para falar vários idiomas, que será de muita utilidade no seu cargo de assistente de Relações Internacionais, em nossos contatos com estrangeiros”, disse o secretário, que ainda afirmou: “Outra qualidade de Edmilson é o seu senso de comprometimento e responsabilidade e sua capacidade de enfrentar desafios com flexibilidade”.(O dia)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui