Foto: Reprodução

O que é?

histerectomia é a cirurgia de retirada do útero, geralmente realizada por um ginecologista. Vários motivos podem levar uma mulher a recorrer à intervenção, como, por exemplo, miomas, câncer de colo do úteroe outros. A histerectomia é um recurso utilizado não só em casos avançados de câncer, mas também como medida preventiva.

Para entendermos a histerectomia, primeiro vamos falar um pouco sobre o útero. Ele pesa por volta de 90 gramas e cabem no seu interior cerca de 5 ml de líquido, sendo que no final da gestação chega a pesar mais de 1kg, com capacidade de armazenar mais de cinco litros. Ele está fixo na altura do colo uterino, fazendo saliência para a vagina.

Após a apendicectomia (retirada do apêndice), a histerectomia é a segunda cirurgia mais realizada no mundo. Calcula-se que no Brasil de 20% a 30% das mulheres serão submetidas a esta intervenção até a sexta década de vida, aproximadamente 200 mil casos por ano. Nos EUA, este número gira em torno de 600 mil por ano.

Histerectomia abdominal

Nesse procedimento, é feito um corte na região do abdômen, pelo qual o cirurgião retira o útero da paciente. Aproximadamente 65% das histerectomias são realizadas por meio deste procedimento no mundo todo.

Histerectomia vaginal

É um procedimento cirúrgico para remover o útero através da vagina. Durante uma histerectomia vaginal, o cirurgião separa o útero dos ovários, trompas de Falópio e da parte superior da vagina, assim como o separa dos vasos sanguíneos e do tecido conjuntivo que o suporta. O útero é então removido através da vagina.

A histerectomia vaginal envolve um menor tempo no hospital, menor custo e uma recuperação mais rápida do que uma histerectomia abdominal, que exige uma incisão na parte inferior do abdômen. No entanto, se o seu útero está aumentado de volume, a histerectomia vaginal pode não ser possível.

Histerectomia laparoscópica

Realizada por meio de laparoscopia, ou seja, o cirurgião insere um tubo muito fino através de pequeninos cortes realizados na barriga da paciente. Por meio de uma câmera e uma fonte de luz (ótica) instaladas na ponta deste tubo, o médico realiza a cirurgia visualizando o interior da cavidade abdominal por meio de uma tela de vídeo.

A histerectomia laparoscópica também pode ser vaginal. Nesse procedimento, o cirurgião realiza a operação por meio de laparoscopia vaginal, inserindo o mesmo tubo fino por dentro da vagina da paciente.

A retirada do útero pode ser feita por uma técnica chamada de morcelamento, em que o útero é retirado por fragmentos, ou através da vagina da paciente, como se fosse uma histerectomia vaginal. O fechamento da vagina se dá pela vista laparoscópica, servindo a via vaginal apenas como meio de retirada do útero.

Histerectomia robótica

É exatamente igual à histerectomia via laparoscopia, só que com um moderno sistema em que robôs realizam todo o trabalho. Neste caso, o cirurgião acompanha todo o procedimento por meio de uma câmera que oferece imagens tridimensionais da histerectomia.

Indicações

  • Miomas: se você tem miomas muito grandes, pode precisar de uma histerectomia abdominal
  • Endometriose: a maioria das mulheres com endometriose realiza a histerectomia abdominal, mas uma histerectomia vaginal é possível
  • Câncer ginecológico: se você tem câncer do útero, colo do útero, endométrio ou ovário, o médico pode recomendar uma histerectomia para tratá-la. Na maioria das vezes, uma histerectomia abdominal é feita durante o tratamento de câncer de ovário, mas a histerectomia vaginal pode ser apropriada para mulheres com câncer de colo do útero ou câncer endometrial
  • Prolapso uterino: a remoção do útero e reparação do relaxamento pélvico pode aliviar esses sintomas. Nesse caso, pode ser feita tanto a histerectomia vaginal quanto a abdominal
  • Sangramento vaginal anormal: nesse caso, pode ser feita tanto a histerectomia vaginal quanto a abdominal
  • Dor pélvica crônica: se você tem dor pélvica crônica claramente causada por uma condição uterina, a histerectomia pode ajudar, mas apenas como um último recurso.

Para a maioria dessas condições, a histerectomia é apenas uma das várias opções de tratamento. Você pode considerar fazer a histerectomia apenas quando medicamentos e procedimentos ginecológicos menos invasivos falharem.

Fonte: minhavida.com.br

Leia mais: https://www.minhavida.com.br/amp/saude/tudo-sobre/18048-histerectomia

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui