O esquema de propina de empresas de ônibus na Agência Estadual de Regulação de Serviços Públicos de Energia, Transportes e Comunicações da Bahia (Agerba) levou para a cadeia o ex-diretor Antônio Lomanto Netto, que deixou o cargo em agosto deste ano, e um dos sócios da Rota Transportes, Paulo Carletto.


Lomanto Netto recebia propina para relaxar a fiscalização de empresas. Prepostos da Agerba eram deslocados para fiscalizar o transporte alternativo (kombeiros e vans) e alegavam falta de equipe para também cumprir o trabalho junto às empresas de ônibus. De acordo com informações iniciais, o esquema envolvia também fraude em licitações de linha.


Em todo o estado, são sete mandados de busca e apreensão. Na Rota Transportes, em Itabuna, foram presos Paulo Carletto e uma advogada de nome ainda não divulgado. Paulo é um dos sócios da empresa que detém o monopólio das linhas intermunicipais e semi-urbanas no sul da Bahia.


Outros sócios da Rota são Ronaldo Carletto e o ex-prefeito de Ilhéus, Valderico Reis. A polícia civil cumpre sete mandados de prisão na Bahia e outros 10 mandados de busca e apreensão.

RÁDIO

O repórter Oziel Aragão acaba de informar com exclusividade no programa Panorama 640, de Orlando Cardoso, na Difusora, que a Polícia Civil está cumprindo mandados judiciais contra a Rota Transportes neste exato momento.


Além da prisão de um dos proprietários da empresa e de uma advogada, os mandados autorizam a apreensão de todos os computadores da Rota. O delegado Clodovil Soares está neste momento conduzindo para o Complexo Policial o representante da empresa, que teria sido preso.


A polícia iniciou a operação na sede da Rota Transportes desde as 6 horas da manhã de hoje. As primeiras informações dão conta de que a investigação se refere a fraudes em licitações de linhas de tráfego. A Rota Transportes é propriedade da família do deputado estadual Ronaldo Carletto e detém o monopólio das linhas intermunicipais no sul da Bahia. Além da Rota, os Carletto são proprietários da Cidade Sol e Expresso Brasileiro. (Com informações do site Pimenta na Muqueca)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui